PAGE-TYPE=single

Tintura e alisamento podem ser feitos na gravidez?

Tire a dúvida e veja os cuidados necessários
0 Comentários

Nenhuma mulher quer se descuidar da aparência, e durante a gravidez algumas ficam maluquinhas ao se deparar com a raiz diferente da cor do cabelo.

Nessa hora, é preciso segurar a ansiedade, porque o couro cabeludo tem muitos vasos sanguíneos e absorvem toda e qualquer química presente nas tinturas, podendo intoxicar o feto e causar má-formação.

 Mês de gravidez

“A amônia e os metais pesados são os grandes vilões desta história, já que atravessam a placenta e podem afetar diretamente o desenvolvimento do bebê.

A recomendação médica é tingir os fios depois de quatro meses de gestação e só usar produtos sem amônia, além de substâncias isentas de metais pesados”, alerta a dermatologista Tatiana Di Perrelli.

Melhor ainda, se a mulher optar apenas por xampus tonalizantes e henas naturais, livres de substâncias tóxicas.

Um estudo realizado pela Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), em parceria com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), mostrou que usar tinturas de cabelo ou fazer alisamento no primeiro trimestre da gravidez, quando o feto está em formação, aumenta em quase duas vezes as chances de a criança ter leucemia nos dois primeiros anos de vida.

Reflexo

O reflexo também está liberado após o terceiro mês de gestação. Para o cabeleireiro Eron Araújo, do salão Creative Salon,  essa é uma boa alternativa, já que a substância não entra em contato direto com o couro cabeludo.

Para isso, o reflexo deve ser feito da metade dos fios para baixo ou nas suas pontas, evitando, dessa forma, o contato direto com o couro cabeludo.

É importante levar em conta que muitos desses cosméticos têm um forte odor, o que pode ser insuportável para algumas grávidas e provocar mal-estar.

Para evitar qualquer problema, Eron recomenda pintar o cabelo o mais próximo possível do tom natural, um pouco antes de engravidar. Assim, conforme crescem novos fios, a raiz não ficará tão diferente, sendo possível fazer o retoque mais tarde, no segundo semestre.

Escova progressiva

Os alisamentos estão proibidos ao longo de toda a gravidez, por conter muitos produtos tóxicos em sua composição, como o formol. Para quem não quer abrir mão dos cabelos lisos, a dica do cabeleireiro Eron é optar pela escova ou chapinha.

“Mas melhor, mesmo, é a mulher aproveitar a fase para mudar o visual e assumir os cachos. Corta-se o cabelo com alisamento e deixa o fio crescer ao natural. A gravidez é uma fase em que a cabeleira da mulher fica linda, cheia, saudável e cresce muito rápido. Seja qual for a decisão, o que não pode é ficar sem cuidar da aparência”, decreta o cabeleireiro.

Antes de tomar qualquer atitude sobre o uso de qualquer substância nos cabelos, converse com o seu médico.

+Saiba mais sobre a queda dos fios no pós-parto


Fontes:

Tatiana Di Perrelli, dermatologista formada pela Universidade Estadual de Pernambuco e especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (CRM: 103329)

Eron Araújo, hair stylist dono do Creative Salon e embaixador da marca  TRESemmé.

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *