PAGE-TYPE=single

Obstetra dá dicas de como estimular o bebê durante a gestação

Conversas, músicas e o próprio contato físico na barriga da mãe geram muitos benefícios e tornam a experiência da maternidade ainda melhor
0 Comentários

Estudos comprovam o que o sentimento já sabia. O contato com o bebê ainda dentro do útero contribui no desenvolvimento cognitivo e no fortalecimento dos laços familiares. A obstetra Glaucimara Nunes, coordenadora da maternidade dos Hospitais Real D’Or e Oeste D’Or comenta o assunto e dá dicas de como potencializar esta comunicação a fim de gerar uma sintonia especial ao longo da gestação.

1. O bebê escuta e sente o que se passa com a mãe durante a gestação?

Muitos estudos confirmam que o bebê é capaz de absorver os sentimentos da mãe durante a gestação. A partir do quinto mês já está sendo formado o aparelho auditivo, o que permite que todos os sons externos sejam escutados pelo bebê. Portanto, é indicado que a mãe, o pai e familiares conversem com o feto e demonstrem sensações de afeto.

+ Bebê pode reconhecer a voz do pai ainda no útero

2A maneira com que a mulher se comporta durante a gestação pode interferir no desenvolvimento do bebê?

É indicado sempre que a mãe procure se manter o mais calma possível, conversando com seu bebê desde a descoberta da gestação, transmitindo um ambiente de paz e tranquilidade, que são fatores relevantes para o bom desenvolvimento do feto. Quando a gestante se encontra envolvida com fatores de estresse e irritabilidade, estas sensações são percebidas pelo bebê.

3.Há um período indicado para iniciar o estímulo ao bebê?

Aconselho que a gestante inicie o contato com o bebê desde a confirmação da gravidez, demonstrando o quanto é querido e desejado – nesta relação afetiva também é fundamental que ocorra a participação do pai e familiares.
O estímulo ao bebê é um fator ainda muito relevante para a mulher, pois a gestação envolve muitas mudanças, como no funcionamento do organismo, na estética corporal e também nas dosagens hormonais.

O estreitamento dos laços afetivos com o bebê pode contribuir significativamente para que o período da gestação seja mais tranquilo e evitar que ocorra a depressão pós-parto. Para isso, é preciso que a mãe se prepare física e emocionalmente para este novo momento.

+ Saiba como construir o vínculo com o bebê desde a gestação

 

4.Como deve ser este estímulo ao bebê durante a gestação?

São muitas as formas possíveis para estimular o bebê durante a gestação e a mais importante é a demonstração de afeto. Pode parecer simples, mas traz benefícios inúmeros para o bebê. Além disso, há outras práticas que podem contribuir, como:

Musicoterapia: a técnica prevê que a mãe coloque músicas calmas e tranquilas para escutar durante a gestação. Podem ser cantigas infantis, músicas instrumentais, ou mesmo sons que remetam a natureza. Estudos confirmam que os bebês que foram expostos a musicoterapia durante a gestação apresentam um desenvolvimento mais saudável, além de serem mais calmos.

+ Musicoterapia melhora o bem-estar de bebês prematuros e recém-nascidos

 

Massagem: estimular o bebê com o contato físico na barriga da grávida também é uma alternativa de demonstrar afeto. O carinho, associado a palavras de amor, são percebidos pelo bebê.

+ 10 coisas que o bebê faz na barriga e você não sabia

 

 Exercícios: a prática de exercícios físicos é uma boa forma de estimular o bebê e promover sensação de bem–estar na grávida. Hidroginástica e Yoga são os mais indicados, quando supervisionados por profissionais aptos e autorizados pelo médico que acompanha a mulher.

+Por que fazer exercícios na gestação? 

5.Como o pai pode participar deste processo?

A participação do pai durante toda a gestação é muito importante, pois ele é ator fundamental na interação e estímulo ao bebê. São perceptíveis os ganhos no desenvolvimento do bebê durante a gestação quando o pré-natal da gestante tem o acompanhamento do pai, seja nas consultas ou nos exames. Além do estreitamento dos laços com o filho, a presença do pai tende a transmitir maior segurança à gestante.

 + Nada de apenas ‘ajudar’ – pai tem importância equivalente à mãe, defende a pediatra


Fonte: Glaucimara Nunes, obstetra e coordenadora da maternidade dos Hospitais Real D’Or e Oeste D’Or (CRM 702188)

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *