Karina Barbara Barreira, mãe de quíntuplos – nascidos de forma natural em abril de 2015 – só pode ser uma supermãe. Afinal, para dar conta do recado, só mesmo com superpoderes. Brincadeiras à parte, a Karina da vida real diz que a fórmula está no “amor, determinação e paciência” para encarar não somente uma rotina, mas o que se pode chamar de uma verdadeira linha de montagem para cuidar de cinco crianças de 2 anos, ao lado do marido João Biagi Júnior, que também largou o emprego para cuidar da filharada.

Feliz e realizada, ela tem a completa noção da “sorte e da bênção que Deus lhe concedeu”. A probabilidade de uma gravidez quíntupla é uma em cerca de 40 milhões. Para se ter uma ideia, a chance de ganhar na Mega-Sena em um jogo simples é de uma em 50 milhões.

E que sorte! Ela passou cinco anos em tentativas frustradas de engravidar e sem dinheiro para bancar uma inseminação artificial. O problema era a parede do seu útero, que era fina demais. Karina já tinha perdido as esperanças, quando resolveu apostar em uma última chance, a fim de realizar o sonho de ser mãe. Consultou o médico Orlando de Castro Neto, que fez um tratamento, considerado simples, sem necessidade nenhuma de recorrer à inseminação. Dito e feito.

Gravidíssima, a surpresa veio no primeiro ultrassom: eram três. O pai pulou de alegria, enquanto Karina ficou apreensiva. Afinal, como daria conta de três ao mesmo tempo? Mal puderam acostumar com o impacto da notícia, o casal foi surpreendido novamente ao realizar o segundo ultrassom. Parecia inacreditável, eram cinco! “Dessa vez foi o contrário, meu marido quase caiu da cadeira e eu fiquei muito feliz. Deus deu cinco filhos para a pessoa certa. Não tive medo”, pensou na época.

Amor fraterno

São cinco filhos e cinco personalidades diferentes. Arthur é o mais arteiro; Melissa, a mais sossegada; Laís, a mais prestativa; Giulia, a mais briguenta; e Gabriela, a mais carinhosa (as duas últimas são gêmeas idênticas). Agem como todos os irmãos: brincam, brigam e fazem as pazes com beijinhos. Coincidentemente começaram a andar por ordem de nascimento por volta de 1 ano e 2 meses. E Karina jura que não ficou maluca, tentando correr atrás de cinco bebês pela casa. “Nem dava tempo em pensar no trabalho. Desde a minha gravidez, procuro viver o momento. Caso contrário, morreria de ansiedade. Fiquei feliz com a evolução deles. Tive os bebês com 28 semanas e ter voltado para casa sem eles, foi uma tortura na época. Cada dia é uma novidade e hoje já sei que quando um aprende a fazer uma arte, os outros vão repetir em questão de dias”, diverte-se.

Rotina é fundamental

Manter uma rotina rigorosa é a peça-chave para manter um mínimo de organização na vida da família. Nasceram juntos e fazem tudo juntos em esquema de “linha de montagem”. Estão acostumados com esse esquema desde o parto, quando 32 profissionais trabalharam intensamente para receber cinco bebês de uma só vez. Foram três obstetras, quatro anestesistas e sete pediatras e o restante da equipe hospitalar.

O mais gordinho, Arthur, nasceu com 1,2 quilos. Quando saíram da UTI e voltaram para casa, dividiram um quarto de 14 metros quadrados, em cinco berços, um grudado no outro, além de 4 mil fraldas (doação de uma empresa), estocadas antes do nascimento. Por sorte dos pais, costumavam dormir cinco horas por noite nos primeiros meses de vida. Naquela época, a jornada da Karina começava às 6 da manhã e terminava à 1 da madrugada. Atualmente, o dia de Karina tem início ainda no mesmo horário, mas consegue dormir por volta das 23h, um ganho de duas horas, supercomemorado.

Desde sempre, o quinteto e o casal têm horário para tudo. Todos comem, tomam banho e dormem na mesma hora. Quando eram recém-nascidos, Karina tinha ajuda da mãe e, enquanto ela dava banho em um, a avó secava, que já entregava ao genro para dar a mamadeira. Para dar conta das despesas, o casal criou uma página no Facebook e contou e, conta, com a ajuda da família, da ex-patroa de Karina, de programas de TV e da solidariedade das pessoas.

Respiro do casal

Só este ano o casal conseguiu umas horinhas de folga, já que os cinco passaram a frequentar a creche em fevereiro. Levá-los na escola implica uma maratona de preparativos. A sorte é que o casal ganhou um carro do apresentador de TV Gugu Liberato. Agora que estão na escola, a avó passou a ajudar três vezes na semana, ao invés de todos os dias.

Com essa ajudinha da escola, os dois começaram a pensar na possibilidade de fazer um programa a dois, nem que seja à luz do sol. Todo Dia da Mães, Karina se sente ainda mais especial. Até 2016, Karina manteve uma agenda com todas as atividades de cada um: horário das mamadas, do sono, preferências alimentares etc. Agora, ela pretende montar um álbum com todas as matérias jornalísticas produzidas sobre a família. O curioso é que lá atrás, quando não conseguia engravidar, ela sempre teve a certeza que seria uma “supermãe”. O sonho se realizou. Ganhou não só um, mas um quinteto para alegrar a vida.

Gostou? Compartilhe!