PAGE-TYPE=single

Já ouviu falar do banho de balde?

Saiba quais são os benefícios e até quando pode ser usado

0 Comentários

Acostumados até há pouco tempo com a vida uterina, em um ambiente aquático e sossegado, alguns bebês não se sentem confortáveis e choram durante o banho. Para aliviar essa tensão, muitas mães estão aderindo ao banho de balde, um acessório específico para o recém-nascido, que tem recebido o nome de ofurô, o mesmo nome da forma japonesa de tomar banho de imersão.

Dentro do balde, o bebê fica com as pernas e braços encolhidos e a água permanece por mais tempo aquecida. Dessa forma, o neném fica submerso do pescoço para baixo, gerando uma sensação de tranquilidade.

Sensação aconchegante

“O balde é um recipiente semelhante ao útero materno, aconchega o corpo do bebê e proporciona uma sensação protetora, como se ele estivesse dentro do corpo da mãe”, afirma a pediatra Mariane Franco, presidente do Departamento de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

O balde pode ser usado em crianças de até três meses, pois elas ficam em posições mais confortáveis nesse fase. Não é aconselhável utilizar baldes de uso doméstico, pois muitos possuem fiapos de plásticos e vincos que podem lesionar a pele do bebê, além de liberar substâncias tóxicas. Os baldes específicos possuem um melhor centro de gravidade, evitando acidentes, como uma queda.

Cuidados com a segurança

Na hora de encher o recipiente, recomenda-se colocar água até a metade ou na altura indicada no balde, para não transbordar e evitar risco de afogamento. “Nunca permita que a água ultrapasse a altura do peito e jamais deixe o neném solto no balde. A água deve ser morna, entre 28 e 36 graus. Para evitar queimaduras na pele da criança, teste sempre a temperatura antes com o dorso da mão e use sabonete neutro”, alerta Mariane.

+Saiba como evitar afogamento e sufocamento

Algumas mães banham o bebê na banheira e depois usam o balde para deixá-lo mais relaxado. Outras utilizam apenas o ofurô e transformam o momento em puro relaxamento, ao colocar música lenta ao fundo, utilizar óleos naturais e fazer massagens que acalmam e favorecem o sono do bebê. O banho não deve demorar mais de 15 minutos e não existe uma técnica específica, apenas dedicar muito carinho e amor ao bebê.


Fonte:
Mariane Franco, pediatra e presidente do Departamento de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) (CRM – PA 4274)

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *