A acne costuma ser um dos nossos maiores incômodos durante a adolescência. E não é que essa doença da pele pode voltar com tudo na gravidez? Isso acontece porque os hormônios da gestação estimulam as glândulas sebáceas, responsáveis pela secreção do sebo, deixando a pele mais oleosa e, consequentemente, contribuem para o aparecimento de cravos e as espinhas.

O problema costuma aparecer no primeiro trimestre e com mais frequência no rosto, mas às vezes atingem a região do pescoço, costas e até o colo. A boa notícia é que, logo após o parto, a produção hormonal volta ao normal, e manda embora as inconvenientes espinhas. Em outros casos, o quadro pode melhorar já no segundo trimestre de gestação.

Como evitar
Apesar da acne ser uma doença multifatorial, ou seja, que tem diversas causas, dentre elas a predisposição genética, algumas medidas podem evitá-la ou pelo menos trazer algum alívio. Não tomar sol depois das 10 horas é uma das principais recomendações, pois o calor, junto com a umidade, pode piorar a situação.

Tentar espremer as espinhas ou cravos, apesar de tentador, não é uma boa ideia. Ao cutucar, agredimos a pele, podendo causar inflamação e lesão na região. Para quem usa maquiagem, cuidado redobrado. Retire-a por completo ao final do dia para que a pele possa respirar. E para as adeptas da ginástica, o suor pode irritar ainda mais as espinhas. O melhor é tomar um banho seguido da prática.

Alimentação
Por muito tempo, a relação da alimentação com o surgimento de acnes foi tida como um mito. Porém, estudos recentes chegaram à conclusão de que uma boa alimentação pode, de fato, evitar o problema. Por isso, opte por alimentos mais saudáveis como verduras e legumes e evite alimentos gordurosos e calóricos.

Tratamento e higiene
Durante a gravidez, a gestante deve ter muito cuidado com os produtos usados em cuidados e tratamentos de beleza. Antes de qualquer atitude, o médico deve ser consultado. Limpeza de pele, por exemplo, pode ser feita, desde que haja aprovação médica e que não sejam utilizados produtos com substâncias contraindicadas na gravidez, a exemplo do ácido retinoico.

No caso de cremes hidratantes, prefira os chamados não-comedogênicos, ou seja, os que não favorecem ou obstruem os poros da pele. Para a limpeza das áreas com espinhas, recomenda-se o uso de sabonete neutro. Tudo sempre com a supervisão do seu médico, combinado?

Compartilhe!