O desenvolvimento da linguagem está diretamente relacionada a audição. Ao nascer, o bebê já ouve perfeitamente e consegue reconhecer a voz da mãe, porque desde o início de sua formação era o som mais presente. Aos 4 meses, balbucia sequência de vogais (“ááá” e “êêê”). Ao completar 6 meses, começa a imitar sons e produz quatro sons de sílabas com vogal e consoante, a exemplo de “dá…dá”.

Nessa fase, deixar o bebê fazer barulho com os brinquedos, móbile musical ou chocalho, tampas de panelas ou potes de plásticos é um grande estímulo. A forma de comunicar dos bebês nos primeiros meses é mais de reação, mas adora quando percebe que os adultos estão respondendo a suas emissões vocais, o que o encoraja a prosseguir com o desenvolvimento da fala.   

Aos 10 meses, já deve estar pronunciando o esperado “mã ou mamã” e “dá ou dadá” com o propósito de chamar os pais, assim como olha algo que foi apontado. Aos 12 meses, a criança pode acrescentar duas a quatro palavras no seu vocabulário. Aponta para mostrar o que deseja e obedece a comandos, como “venha aqui”, “dê para mim”. É com um ano que a criança começa a entender o poder da comunicação e descobre então uma poderosa ferramenta para conquistar o que deseja, como o colinho da mamãe.

Nesse período, responde ao chamado do nome e passa a entender que o “sim” e o “não” dos pais influenciam diretamente as suas ações. Durante o aprendizado, começa a imitar e repetir palavras ditas pelos pais ou por outras pessoas próximas.

Nos próximos meses, o bebê vai se sentir desafiado a se fazer entender pela fala e se esforçar para aumentar o repertório de palavras a cada dia. É um grande desafio!   


Revisado por: Isabela M. Forni, médica pediatra formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), autora do Blog Eludicar | Cuidado à criança. A profissional atende em unidades dr.consulta. (CRM/SP 163243)