Os primeiros dentes do bebê começam a se desenvolver ainda no útero, por volta do quarto mês de gestação, embora, em quase todos os casos, sem sairem das gengivas. Após o nascimento, durante a amamentação, o ato de sucção fará com as arcadas dentárias se desenvolvam e fiquem em harmonia, a fim de conseguir uma perfeita oclusão (“encaixe dos dentes”) no futuro. Para isso, o aleitamento materno é o melhor aliado de um lindo sorriso, já que o recém-nascido desenvolve músculos e funções para a futura mastigação. Enquanto a criança faz em média 3.500 movimentos de sucção no seio, na mamadeira ela fará de 1.200 a 1.700 movimentos. 

Na fase de 3 a 6 meses, o bebê sente a necessidade de morder objetos e, por isso, adora um mordedor, que deve ser macio e com pintura atóxica. Já a idade do nascimento do primeiro “dente de leite” varia de criança para criança, pois algumas podem até nascer com algum dentinho. Comumente ocorre aos 6 meses, mas, se surgir antes ou depois, é considerado normal. Caso nenhum desponte até os 12 meses, é prudente consultar um dentista pediátrico.  

A fase dos nascimentos dos dentes costuma ser acompanhada de alguns incômodos, como uma coceira na gengiva, deixando o bebê irritado. Além disso, é natural salivar bastante e sentir dor e desconforto. Também é comum que o bebê passe a querer morder tudo. A saída é oferecer mordedor, sendo que alguns modelos podem ser colocados na geladeira, pois a sensação gelada alivia ainda mais o desconforto. Outra medida é massagear a gengiva do bebê com uma gaze embebida em água filtrada, enrolada no dedo da mãe. Alimentos frios, como frutas e legumes crus, também ajudam muito nessa fase, caso o bebê tenha mais que seis meses de vida.

Ordem de nascimento

Os primeiros dentes a despontarem são os incisivos centrais inferiores, seguidos dos superiores, ou seja, os dentes da frente da boca, de baixo e de cima, que têm a função de cortar os alimentos. Depois, entre o sétimo e o décimo mês, surgem dois incisivos laterais inferiores e dois superiores, totalizando oito dentes.

Os primeiros molares superiores e inferiores, cuja função é triturar e moer os alimentos, costumam nascer por volta dos 12 aos 18 meses de vida. Depois, próximo aos 18 meses, chega a vez dos caninos superiores e inferiores, que têm como função perfurar e rasgar os alimentos. Por último, quando o bebê estiver entre 24 e 30 meses de idade, nascem os segundos molares, completando a dentição do bebê, que é composta de 20 dentes, com 10 na arcada superior e 10 na inferior.

A higienização da cavidade oral é necessária após a erupção do primeiro dente, por meio da escova e pasta dental com flúor, em uma quantidade pequena, do tamanho de um grão de arroz para evitar a fluorose dentária. Na limpeza, a mãe deve colocar o bebê na posição de amamentação ou em outra posição, desde que seja confortável e prazerosa.        

A primeira visita ao dentista pode ocorrer aos 6 meses de vida para uma consulta de orientação, que deve ser repetida idealmente a cada seis ou doze meses, dependendo das orientações do dentista.


Revisado por: Isabela M. Forni, médica pediatra formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), autora do Blog Eludicar| Cuidado à criança. A profissional atende em unidades dr.consulta. (CRM/SP 163243)