O bebê começa a ouvir por volta da 21ª semana de gestação, e quando ele nasce, é essencial verificar se tudo está ocorrendo bem com seus ouvidinhos.

O som é um dos estímulos essenciais e, através dele, o bebê pode desenvolver a fala e seu relacionamento com o restante do mundo. Por isso é muito importante assegurar que seja feito o teste da orelhinha a fim de avaliar a audição do recém-nascido e prevenir ou tratar a deficiência auditiva congênita, ou seja quando o bebê adquire o problema durante sua gestação.

Entre as causas da surdez congênita estão: doenças adquiridas como sífilis e toxoplasmose, medicamentos usados pela gestante ao longo do período, hereditariedade, exposição da mãe a radiações, problemas no parto, infecções hospitalares, falta de oxigenação e até o uso de fórceps para retirar a criança.

O exame de omissões otoacústicas é obrigatório por lei desde 2010 e deve ser aplicado por um médico ou fonoaudiólogo. É prático, não causa desconforto e dura cerca de dez minutos. No exame, é analisado a reação das células auditivas externas da cóclea no ouvido interno, em resposta aos estímulos sonoros. Deve ser realizado de preferência quando o bebê está dormindo a partir do segundo dia de vida.

Bebê fazendo o teste de audição com um aparelho no ouvido

Durante o teste, é colocado uma sonda com um minimicrofone no canal de um ouvido; em seguida, sons são produzidos e a resposta a esses sons é gravada e avaliada por um computador. Caso surja alguma suspeita de anormalidade, deve ser feito mais exames para um eventual tratamento.

Conheça alguns sinais do bom desenvolvimento auditivo do bebê:

De 0 a 6 meses – o bebê se assusta, chora ou acorda com sons intensos e repentinos, como uma batida de porta, e se acalma com vozes familiares, a exemplo da mamãe.
De 3 a 6 meses – ele procura a origem de sons, reconhece a voz materna e emite sons ao balbuciar.
6 meses – o bebê localiza a fonte de sons de seu interesse, até em intensidade suave, atendendo quando alguém o chama pelo nome.
9 meses – localiza sons nas direções abaixo e acima da cabeça e intensifica o balbucio.
1 ano – o bebê já reconhece o nome de objetos ou pessoas familiares e atende a solicitações simples, como a de dar tchau. Expressa as primeiras palavras e começa o seu desenvolvimento de linguagem.
2 anos – ele constrói sentenças simples para se comunicar.