Além de ir regularmente às consultas médicas e fazer toda a maratona de exames solicitados, muitas vezes a gestante se esquece da saúde bucal.

E saiba que complicações na dentição e na gengiva são mais comuns justamente na gravidez.

Um dos motivos é uma maior produção dos hormônios estrogênio e progesterona pela placenta, que promovem modificações vasculares que facilitam o ataque das bactérias, provocando vermelhidão, inchaço e sangramento na gengiva, o que caracteriza a chamada gengivite.

+Sangramento na gengiva? Saiba por que isso acontece

Esse problema aparentemente simples pode levar ao parto prematuro e influir no baixo peso do bebê, segundo um estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que reforça a importância de incluir exames odontológicos nas consultas pré-natais. O estudo revela que a inflamação da gengiva estimula a liberação de citoquininas e prostaglandinas, substâncias que induzem o parto.

Uma vez liberadas na corrente sangüínea acarretam micro contrações na parede uterina, podendo levar ao nascimento de um bebê de baixo peso. E pior, se não for cuidada, a gengivite pode evoluir ainda para um quadro mais preocupante, a periodontite, doença que compromete o tecido de sustentação do dente, além de provocar tártaro, mau hálito e paladar alterado. E os efeitos dos hormônios não param por aí. Prejudicam ainda o pH da saliva, que deixa o dente mais suscetível ao aparecimento de cáries e provoca uma piora no esmalte dos dentes.

+ 3 cuidados que toda a grávida deve adotar em relação à saúde bucal

Já as mulheres diabéticas precisam redobrar os cuidados. Existem evidências de que esse grupo corre um risco quatro vezes maior de sofrer com gengivites ou periodontites do que o das gestantes que não apresentam o problema.

Cuidando dos dentes

Por isso, a melhor forma de cuidar dos dentes nesse período é caprichar na escovação com o uso do fio dental, evitar o consumo exagerado de doces e visitar seu dentista por pelo menos três vezes ao longo dos nove meses. Se a barriga ainda não estiver aparente, avise o profissional para ele tomar as devidas precauções, tais como: avaliar seus sinais vitais, levar em conta o seu estado de vulnerabilidade e realizar uma boa anamnese – investigação de seu histórico e hábitos. Caso necessite de anestesia, não se preocupe.

Existem algumas especiais, que não provocam o estreitamento dos vasos sangüíneos, o que poderia prejudicar a gestação. Portanto, sem dor não há motivo para não visitar seu dentista.

 


Revisado por: Marcus Cavalheiro, Médico Ginecologista e Mestre em Obstetrícia pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp) (CRM/SP 30.077)