A maioria das grávidas passa pelos 9 meses de gestação sem apresentar problema sério algum.

No entanto, ocasionalmente acontecem complicações que podem colocar em risco a gestação e o bebê. Felizmente, se elas forem detectadas a tempo, podem ser tratadas com sucesso.

 

Dor abdominal

Cólicas abdominais são perfeitamente normais no primeiro trimestre. No entanto, no caso de qualquer sensação dolorosa, que causa desconforto ou pareça fora do normal, a mulher deve procurar imediatamente um pronto atendimento. Dores abdominais agudas podem ser sinais de aborto, ruptura de placenta ou parto prematuro.

Sangramento

Mesmo uma pequena quantidade de sangramento vaginal, comum nas primeiras semanas da gestação, não deve ser negligenciada: informe imediatamente ao seu médico. E no caso de um sangramento maior, de cor vermelho-vivo, procure atendimento imediato. O sintoma pode indicar abortamento ou gravidez ectópica (aquela que ocorre fora do útero).

Febre e calafrios

Nenhuma febre deve ser ignorada pela grávida. Se ela for de 37,8 graus e sem outros sintomas, ligue para o seu médico. Caso esteja acima de 38,9 graus, será preciso tratamento imediato, já que temperatura muito alta pode causar aborto espontâneo, parto prematuro ou malformação do feto.

Sede e pouca micção

Muita sede e pouca vontade de urinar podem ser sinal de desidratação ou diabete gestacional, o que é potencialmente perigoso para a mãe e o bebê
Entre em contato com o seu médico obstetra para uma melhor avaliação.

Dores de cabeça, visão dupla e luzes “piscando”

Os 3 sintomas são indicativos de pré-eclâmpsia e pressão arterial elevada, problema que costuma acometer de 5% a 10% das gestantes. Como consequência, no pior dos cenários o problema pode provocar o descolamento prematuro da placenta. Portanto, o caso exige urgência.

Perda de líquido pela vagina

Cuidado, a perda de líquido pode ser sinal de parto prematuro! O líquido amniótico tem um papel fundamental na gestação e várias funções, entre elas, a de proteger o bebê de infecções. Cerca de 8% das grávidas têm esse problema em algum ponto da gestação, normalmente no terceiro trimestre.

Redução ou ausência de movimentos fetais

O seu bebê também descansa, e ficar algumas horas quietinho não significa nada. No entanto, se ele parecer menos ativo nas últimas 24 horas, o melhor é seguir imediatamente para o hospital. Movimento fetal reduzido pode ser sinal de que o bebê está em sofrimento.

Compartilhe!