Seu bebê está formado e pronto para vir ao mundo na 40ª semana.

Os nascidos antes da 37ª semanas são considerados prematuros, e entre 40 e 42 semanas, a gestação é chamada de prolongada. E após a 42ª semana, ela é classificada como pós-termo. Segundo dados do Ministério da Saúde, a incidência da gestação prolongada é em torno de 5%.

A gestação prolongada ou pós-termo traz certo risco à saúde do bebê. Pesquisas mostram que crianças nascidas depois da 40ª semana têm mais problemas de respiração, audição e aprendizado. Isso porque acontece uma diminuição no transporte de nutrientes e oxigênio pela placenta, o que pode prejudicar o desenvolvimento do bebê.

Por isso, a partir da 40ª semana e um dia, os cuidados devem ser em dobro e assistidos por um rigoroso acompanhamento médico. Para evitar os riscos, a gestante deve ser submetida a exames como cardiotocografia e ultrassom, entre outros, com o objetivo de avaliar a saúde do feto e analisar se vale a pena a espera.

Algumas gestantes de baixo risco decidem esperar na esperança de entrar em trabalho de parto naturalmente. O inconveniente é que as consultas passam, muitas vezes, a ser diárias a fim de checar os batimentos cardíacos do bebê, entre outros aspectos.  Geralmente, a espera é considerada na possibilidade de ter um erro no cálculo na idade da gestação.

No entanto, muitos médicos brasileiros induzem o parto após a 40ª semana para evitar o risco ao bebê. Nesse caso, a decisão da data do parto será tomada pelo médico em conjunto com o casal.

Acompanhe a classificação da gestação, segundo a Universidade Americana de Obstetrícia e Ginecologia:

– Gestação a termo inicial (early term em inglês): 37 semanas até 38 semanas e 6 dias;
– Gestação a termo (full term em inglês): 39 semanas até 40 semanas e 6 dias;
– Gestação a termo tardio (late term em inglês): 41 semanas até 41 semanas e 6 dias;
– Gestação pós-termo (post term em inglês): 42 semanas ou mais.

Compartilhe!