T oda nova vida começa na fecundação, quando o óvulo da mãe recebe e abriga um espermatozoide do pai e, com isso, dá início ao processo de gestação que resultará em um bebê.

Este processo começa com a ejaculação: durante o ato sexual algumas centenas de milhões de espermatozoides são arremessados no útero, pela vagina, e de lá tentam se encaminhar para a tuba ovariana que estiver com um óvulo naquele mês.

Usualmente, os ovários se alternam mês a mês na ovulação, embora possa ocorrer de o mesmo ovário ovular dois meses seguidos e até os dois ovários ovularem no mesmo mês, que é uma das causas de gravidez de gêmeos não idênticos, isto é, originados de dois óvulos e de espermatozoides diferentes.

Em um primeiro momento, imediatamente após ejaculados, os espermatozoides são quimicamente “empurrados” para o útero, pois os espermatozoides não resistem à acidez vaginal. É que as células que revestem o interior da vagina são muito ricas em glicogênio. Essa substância, quando liberada pelas células vaginais, sob efeito das bactérias que compõem a flora local normal é transformada em ácido lático. Como consequência, a vagina é extremamente ácida e, sem proteção, 100% dos espermatozoides morreriam em menos de uma hora.

Entrando no útero, por efeito de hormônios e de secreções internas específicas os espermatozoides se dirigem para a tuba que naquele mês está com o óvulo: embora parcela importante deles termine se dirigindo para a outra tuba, razão pela qual nada será encontrado e morrerão, mesmo os que se dirigirem para a tuba que está com o óvulo daquele mês estarão vivendo uma verdadeira corrida de obstáculos.

A natureza é seletiva ao máximo, de modo a que somente os espermatozoides mais fortes e mais bem conformados possam conseguir a vitória: a fecundação! Para dar uma ideia, um espermatozoide mede 0,07 mm, ou 7 centésimos da espessura de uma moeda de 10 centavos, e embora possa sobreviver até 72 horas após a ejaculação, em apenas 40 a 50 minutos precisará percorrer cerca de 20 cm de distância até encontrar o óvulo, ou uma distância de quase 3.000 vezes o seu tamanho.

Por esta razão eles nadam, nadam, nadam para escaparem ao meio ambiente ácido ameaçador e atravessarem o útero rumo a uma das tubas ovarianas.

21.2

Na tuba que recebeu o óvulo aquele mês, surge um outro desafio: um muco reveste a parede das tubas ovarianas e o movimento deste fluido ocorre regularmente de dentro para fora, isto é, do útero para o ovário.

Todavia, em função da ovulação e da necessidade de o óvulo ser deslocado rumo ao útero, como ele não tem cauda que o impulsione neste movimento o sentido do fluxo do muco se inverte e passa a ser “de fora para dentro”, isto é, do ovário para o útero.

E os espermatozoides têm de enfrentar esta correnteza de muco se movimentando em sentido oposto ao sentido em que eles vão, pois eles estão indo do útero para o ovário.

Com tudo isto, quase a totalidade dos espermatozoides fica pelo caminho e se estima que apenas 100 espermatozoides chegam ao óvulo, passando a rodeá-lo freneticamente e buscando entrar nele, para transferir-lhe a carga genética que é carregada na cabeça do espermatozoide.

Da nuvem de espermatozoides rodeando o óvulo, apenas um conseguirá entrar. Imediatamente após ter entrado, quimicamente o óvulo se fecha à entrada de qualquer outro.

O óvulo e o espermatozoide são, respectivamente, a maior e a menor células do corpo humano: o espermatozoide é a menor, pois ele tem por único papel o de transportar a bagagem genética do homem para um óvulo da mulher. Já o óvulo é bem maior, pois carrega reservas de nutrientes que darão sustento às primeiras células surgidas logo após a fecundação e antes de ocorrer a nidação na parede uterina, como será visto adiante.

O espermatozoide tem também o papel definidor sobre se o bebê será menina ou menino: dos cromossomos definidores do gênero do futuro bebê, os óvulos têm sempre o cromossomo X, enquanto os espermatozoides podem ter X ou Y. Assim, se da fecundação resultar um bebê XX (X da mãe e X do pai), será uma menina; se resultar um bebê XY (X da mãe e Y do pai), será um menino.

Compartilhe!