PAGE-TYPE=single

Funchicórea: alivia ou não as cólicas do bebê?

Muitas mães, aflitas pela dor da cólica, recorrem a este antigo remédio fitoterápico. Já o médico não recomenda o uso e alerta sobre os perigos
8 Comentários

O médico pediatra Sylvio Renan Monteiro de Barros, alerta: “a Funchicórea não deve ser utilizada sem supervisão médica e é totalmente contraindicada para o bebê que está no aleitamento exclusivo”. Entenda e avalie as razões deste posicionamento

É inconsolável ver um bebê chorando por cólica. E, depois de tentar todos os métodos para cessar as lágrimas, algumas mães recorrem ao antigo Funchicórea, remédio fitoterápico (feito de plantas) de nome esquisito, que está no mercado há mais de 70 anos. O produto é composto por raiz de ruibarbo, folha de chicória, flores de funcho e sacarina (adoçante artificial).

Chamado por muita gente de “pó milagreiro”, esse remédio vem sendo usado por várias gerações para trazer alívio às cólicas dos bebês. No entanto, não há nenhuma comprovação científica de sua eficácia. E foi justamente com essa alegação que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) proibiu a venda do produto em 2012. Entretanto, no ano seguinte, o órgão liberou a comercialização do produto depois de o fabricante apresentar documentos, provando que não trazia riscos à saúde.

Funciona ou não funciona?
Mas, se não há comprovação de que a Funchicórea traga alívio às cólicas do bebê, por que ela vem sendo usada por tantas mães há sete décadas? O pediatra Sylvio explica que o medicamento parece ser efetivo por ser muito doce, e consequentemente, acalmar o bebê. “As ervas têm suas propriedades, porém a ação ‘calmante’ desse medicamento ocorre pela liberação do hormônio serotonina no organismo após a ingestão do produto, por seu sabor adocicado, o que dá a sensação de euforia e bem-estar para o bebê”, afirma o pediatra.

Portanto, os efeitos são psicológicos, já que a criança fica mais calma e os pais também, por terem a sensação de que resolveram o problema. Apesar de o produto não fazer mal na maioria dos casos, o pediatra Sylvio Renan alerta que a Funchicórea não deve ser utilizada sem supervisão médica e é totalmente contraindicada quando o bebê está no aleitamento exclusivo.

“O uso do remédio nessa fase pode acarretar consequências no sistema renal do bebê, já que o produto contém sacarina. Esse adoçante, produzido a partir de tolueno, tem em média o poder adoçante 200 vezes maior do que o açúcar”, explica o médico.

O que fazer?
As cólicas são muito comuns nos primeiros meses de vida do bebê e, pelo fato de ainda não terem suas causas explicadas pela ciência, sendo apenas associadas à imaturidade do sistema digestivo da criança, não existem remédios que aliviem essas dores. Por isso, é importante saber que elas são comuns e irão desaparecer espontaneamente por volta dos três meses de vida.

De acordo com o pediatra Sylvio Renan, a amamentação e o contato pele a pele com a mãe são os principais aliados dos pais contra as cólicas. “O melhor combate ao problema é continuar com o aleitamento materno, único alimento indicado até os seis meses de idade, que possui lactobacillus bifidus, uma bactéria benéfica que inibe o crescimento de outras causadoras de doenças. Dessa forma, o bebê fica mais protegido contra cólicas e tem um bom funcionamento do intestino”, explica.

Para ajudar no alívio das cólicas, o ideal é segurar a criança no colo, de bruços, ou tirar a roupinha do bebê e deitá-lo no colo da mãe, pele a pele, pois o contato e a sensação quente aliviará as dores, indica o médico.


Fonte: Sylvio Renan Monteiro de Barros, médico pediatra autor dos livros “Seu bebê em perguntas e respostas – Do nascimento aos 12 meses”, e “Pediatria Hoje” (CRM/SP 24699)

8 Comentários

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *