PAGE-TYPE=single

Fissuras nos seios podem ser tratadas com laserterapia

Técnica ameniza as dores, estimula a cicatrização da pele e pode evitar o desmame precoce
0 Comentários

A pega incorreta do bebê durante a mamada é a principal causa de fissuras nos seios, causando dor e incômodo para as mães e, muitas vezes, são porta de entrada para infecções, como a mastite e a candidíase mamária. E, pior, é a principal causa de desmame precoce.

+ Saiba como evitar rachadura nos seios

Uma das técnicas para tratar as fissuras é a laserterapia, uma onda eletromagnética de baixa potência que atinge o tecido da pele, fazendo a estimulação da circulação no local. “Os lasers utilizados no tratamento são de baixa potência e não causam dor alguma à mulher. Os efeitos têm ação analgésica, anti-inflamatória e cicatrizante”, explica a consultora de amamentação e laserterapeuta Ana Paula Garbulho.

O tratamento costuma ser feito diariamente ou com intervalos de 48 horas entre as sessões. Recomenda-se pelo menos 8 sessões e a partir da quarta consulta já é possível observar uma melhora significativa das fissuras. “Considerando sessões diárias, em 4 dias muitas puérperas já conseguem amamentar sem dor”, completa a especialista.

Indicação

Praticamente todas as mulheres podem aderir a essa forma de terapia. A única restrição é para aquelas que apresentam suspeita de câncer de mama, leucemia, ou outros tipos de tumores. E a laserterapia tem outras funções, como a melhora do sistema imune e redução da depressão pós-parto.

Segundo Ana Garbulho, os efeitos colaterais da laserterapia são praticamente nulos, já que a luz é absorvida pelo tecido lesionado, não é armazenada e, por isso, seus efeitos não são cumulativos. No entanto, há situações onde a lesão se agrava antes de recuperar-se completamente. E, claro, como em todo o tratamento, é prudente checar a capacitação do profissional.

+Síndrome de Raynaud deixa mamilos embranquecidos e causa dor


Fonte:
Ana Paula S. Garbulho, consultora em aleitamento, laserterapeuta e obstetriz (COREN/SP 000019)

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *