PAGE-TYPE=single

O colo traz mais benefícios ao bebê do que se imaginava, aponta pesquisa

Cientistas descobriram que o contato pele a pele afeta até o DNA das crianças
12 Comentários

Que o colo da mãe é uma ótima demonstração de afeto ao bebê, isso todo mundo já sabe. Mas um estudo feito pela Universidade de British Columbia, no Canadá, foi além e comprovou que segurar o bebê no colo – ou a falta dele – tem consequências muito maiores, influenciando sua vida futura ao modificar a expressão do DNA.   

+Colo demais faz o bebê ficar manhoso?

 Segundo o estudo, crianças que recebem menos contato físico, ficando mais angustiados durante seus primeiros meses de vida, têm um perfil molecular menos desenvolvido do que o normal para a sua idade. Em outras palavras, é como se a idade genética dessas crianças estivesse atrasada em relação à das que tiverem contato físico nos primeiros dois anos de vida. 

+A importância do contato pele e pele

Pesquisa

Para chegar à conclusão, os pesquisadores analisaram 94 bebês com cinco semanas de idade, nascidos no Canadá, e solicitaram aos pais que mantivessem um diário sobre a frequência em relação ao colo, comportamento e rotinas, como sono, alimentação e choro. Quatro anos depois, amostras de DNA foram retiradas das bochechas de cada bebê para análise.

A partir das amostras coletadas, a equipe de cientistas analisou a metilação do DNA, uma modificação bioquímica que ocorre no início da vida e que ativa os genes, determinando como eles se expressam por toda a vida.

A diferença encontrada entre as crianças que tiveram pouco contato físico e as que tiveram mais foi constatada em cinco áreas diversas do DNA, sendo duas ligadas ao genes, influenciando o metabolismo e o sistema de imunidade da criança.

+Os cinco sentidos do bebê

Mais estudos

Embora existam outros trabalhos científicos sobre a importância do contato físico para os bebês, este é o primeiro estudo a mostrar que o simples toque pele a pele no início da vida pode trazer profundas consequências genéticas para toda a vida do indivíduo, chegando ao nível da saúde molecular.

Entretanto, segundo os autores, as consequências dessas mudanças na expressão do DNA durante o desenvolvimento das crianças ainda não são conhecidas, e mais estudos serão necessários para que se descubra se a falta de colo pode trazer ou não tendência a doenças e complicações na saúde.

“Se outras pesquisas confirmarem essa descoberta inicial, a importância do contato físico será ressaltada”, disse a pesquisadora Sarah Moore, a principal autora do estudo, em nota oficial divulgada à imprensa.


Da Redação Clickbebê

12 Comentários

  • Boa tarde
    Eu amo estar com meu filho, mas infelizmente ele chora muito. Mesmo quando está no colo. Até dormindo sinto o inquieto como se tivesse a murmurar.
    Estou triste e muito cansada, penso que meu filho tem alguma coisa e os médicos só sabem dizer que é tudo normal de uma criança de um mês.

  • Oi …filhos sempre tem necessidade de colo e não importa a idade…fora que nao existe nada melhor que colo de mãe…minha pequena tem 3 meses sempre pego no colo…amo…se for manha…e daí ela vai crescer …mas que sinta sempre meu amor por ela…

  • Em nossa família somos muito carinhosos e afetuosos e nossas crianças são super bem desenvolvidas, sempre estão acima de outras crianças em relação ao desenvolvimento intelectual e emocional.. Um abraço afeta mesmo nossas vidas e é delicioso..

    • Agradecemos seu contato.
      Parabéns! Que gostoso ler isso e saber que o afeto foi e é importante para a sua família. Que isso se estenda por muitas e muitas gerações.
      Um forte abraço

  • Apesar de um senso comum de que colo demais deixa a criança manhosa, eu sempre dou colo para o meu pequeno Artur. Além de perceber como este gesto trás uma segurança para ele, tbm noto que só cresce o vínculo e amor dele para comigo. Colo é abraçar essas bençãos de nossas vidas!

  • Tenho 4 filhos,a mais velha tem 13 anos e é a que mais ficava no colo…
    O que me fez ver uma falta de coerência na vida deles com essa pesquisa é que ela é a que mais adoeceu nos primeiros anos de vida,há os que menos ficaram no colo há quase não adoecia🤔

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *