PAGE-TYPE=single

7 coisas que ninguém conta sobre a maternidade

Barriga que não some, amamentação dolorida e problemas com a sogra são alguns dos perrengues do pós-parto, que não são mencionados nos manuais..
0 Comentários

1- Amamentar nem sempre é fácil

Dar de mamar ao bebê não é tão instintivo e natural como parece. Mãe e bebê precisam de um tempo para assimilar o processo, que exige paciência e dedicação. Buscar informação sobre a pega correta, diferentes posições e receber ajuda do pai e da família, são fundamentais no processo. Dificuldades no início da amamentação são comuns, mas podem ser facilmente corrigidas com ajuda especializada, como médico, pediatra, enfermeira ou doula.

+Vídeo: especialista comenta as principais dificuldades do início da amamentação

2 – Bebê pode perder peso

Isso é um acontecimento normal mas pode assustar facilmente muitas mães, que começam a achar que o seu leite não é “forte” o suficiente. Geralmente, o bebê perde cerca de 10% de seu peso nas primeiras semanas, mas rapidamente começa a engordar e a crescer. Quando isso acontece, algumas mãe passam a achar que seu leite é “fraco” e que é preciso receber alimentação complementar, o que é uma impressão totalmente errada. O leite materno é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) o alimento mais completo para o recém-nascido, suprindo todas as demandas nutricionais necessárias durante os primeiros seis meses de vida. 

+Benefícios do leite materno nos primeiros seis meses de vida do bebê

3 – O amor pelo bebê nem sempre é imediato

Muitas mulheres relatam que não sentiram aquele amor incondicional pelo bebê ao nascer. Isso é bastante comum, já que o amor e toda relação afetiva precisa ser estimulada e desenvolvida diariamente. Algumas têm mais dificuldade que outras e podem estar passando pela fase do baby blues, um estado de tristeza que acomete até 80% das mulheres no pós-parto, por conta da queda brusca dos hormônios. Não é uma doença e costuma durar até 1 mês após o parto. Caso o quadro não melhore, a mãe deve procurar ajuda para avaliar uma eventual depressão pós-parto

+Quarentena: sangramento, cicatrização, tarefas domésticas, cansaço e sexo

4 – A barriga não some após o parto

Muita por conta do inchaço, muitas mulheres ainda ficam com um barriga similar a uma gestação de seis meses. Socorro! Mas calma, depois de alguns dias o inchaço some e a sucção do bebê ajuda, e muito, na perda de peso e na volta do tamanho natural do útero. O processo dura aproximadamente um mês para acontecer. Já, a barriga por conta do excesso de peso, costumar demorar mais para sumir, de três meses a até 1 ano. Tudo vai depender do peso na gestação, da genética e da atividade física de cada mulher. Caso tenha perdido os quilos a mais, mas continua com uma barriga flácida, meio disforme, pergunte ao seu médico sobre a diástase, problema que acomete cerca de 30% das mulheres no pós-parto.

+Saiba mais sobre a diástase 

5 – Falta de sono

Sim, esse é um dos grandes perrengues no pós-parto, já que o bebê mama a cada duas ou três horas e o mesmo acontece durante as madrugadas. A falta de sono causa cansaço, olheiras, irritação, stress e enfraquece a imunidade. A recomendação dos médicos é dormir ou descansar cada vez que o bebê dormir. Portanto, nada de aproveitar o sono da criança para cumprir tarefas ou afazeres domésticos. O marido e a família devem ajudar a mulher no pós-parto, já que o foco total é no recém-nascido e na recuperação da mãe.

+Todas as respostas sobre o sono do bebê

6 – Sentir-se isolada e solitária

Infelizmente o pai não tem o mesmo período de licença da mãe e, quando ele volta a trabalhar, o bebê está por sua conta. Mesmo com a ajuda de familiares, os primeiros meses costumam ser mais solitários para a mulher, principalmente, para aquela que trabalhava fora ou tinha uma intensa vida social. Afinal, o bebê mama a cada três horas e não dá para se ausentar de casa por um período longo.  Mas não fique aflita, saiba que isso é passageiro e foque na saúde e nos cuidados com o bebê. Faça o social e converse com os amigos nas visitas ao bebê, tente fazer algo que goste e se conecte com os amigos pelas redes sociais. Aos poucos, é possível retomar parte da rotina anterior.

7 – Sua relação com a sogra vai mudar

Sim, o relacionamento com a sogra muda com a chegada do bebê. Ela vai ficar mais presente na sua casa ou até mesmo ajudar com o dia a dia no pós-parto. Em alguns casos, a relação melhora, pois ela pode elogiar pelo seu novo papel de mãe, além de você sentir gratidão pela ajuda com o bebê. Em outros casos, os palpites e conselhos não solicitados, e às vezes, invasivos, podem irritar. Nesse caso, a conversa em tom amigável é a melhor solução.     

+Como lidar com a sogra palpiteira


Da Redação Clickbebê

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *